Quatro dicas para quem deseja optar por Fundos de Investimentos

Você já quis deixar uma pessoa ou uma empresa gerenciar o seu investimento? Caso pretenda fazer isso, talvez um fundo de investimento seja uma ótima opção. Dessa forma, será possível comprar e vender títulos de renda fixa, sempre visando o melhor resultado para o investimento. 

Um fundo de investimento é uma junção de pessoas que contratam um gestor para coordenar seus investimentos. Todos seguem as mesmas regras e correm os mesmos riscos. Inclusive, todos pagarão a mesma porcentagem de taxa e as mesmas cláusulas de resgate.

Contudo, muito investidores não sabem como lidar com um fundo de investimento. Se você quer saber mais sobre isso, veja as dicas que este artigo oferece.

Objetivo do investimento

Antes de investir em um fundo de investimento, é importante analisar qual vai ser o seu objetivo com isso. Ao lidar com fundos de investimentos, é necessário avaliar alguns pontos:

  • O valor e a frequência do seu investimento;
  • Quanto tempo levará para sua meta ser atingida;
  • Quais serão os riscos se você buscar um lucro maior.

Se o seu objetivo é conhecer outros países, é importante que o seu capital seja compatível com o valor do dólar. Portanto, comprar ações de um fundo de investimentos cambial pode ser interessante. Quanto maior a certeza sobre seus objetivos, mais precisa será a escolha do investimento.

Avalie as taxas

Em geral, todos os gestores de investimento cobram taxas pelos serviços oferecidos. Ao contratar esse profissional, o investidor deve avaliar se as taxas cobradas condizem com a qualidade do serviço.

Por exemplo, não vale a pena pagar 2% de taxa para um gestor que trabalhe apenas com o Fundo Referenciado DI de gestão passiva. Como esse fundo se baseia apenas em compra de Títulos do Tesouro SELIC, é possível comprá-los do governo por conta própria. Nesse caso, a taxa cobrada não passará de 0,25%.

Avalie o melhor fundo

De acordo com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), um fundo de investimento pode ser dividido em quatro tipos: renda fixa, ações, cambial e multimercado. É importante saber quais são as características de cada um deles. Isso te ajudará a definir uma estratégia de investimento juntamente com o gestor.

Existem ainda opções de investimentos como carteira administrada e private banking, as quais tem sido consideradas algumas das mais vantajosas do mercado.

Análise de Prospecto

Depois de escolher o seu fundo de investimento, é importante verificar com atenção o descritivo oferecido pela sua corretora ou banco. Esse descritivo é conhecido como prospecto.

Sempre que se fala de prospecto, é necessário analisar itens como: objetivos do fundo, políticas de investimento, tributações, rentabilidade histórica e taxas de administração.

No caso dos objetivos, isso tem a ver com a ambição do investidor. Se a pessoa não tiver um objetivo claro, ela não deve investir em nada.

Por sua vez, a política de investimento é bem simples: são as regras utilizadas pelo gestor durante o investimento. Vale lembrar que o investidor deve seguir essas regras, senão o investimento não terá a rentabilidade esperada.

Tributação é basicamente o imposto cobrado em cima de cada investimento. Vale lembrar que os fundos de investimento utilizam o modo come-cotas do Imposto de Renda.

A taxa de administração é o preço que o gestor financeiro cobra pelo seu trabalho. Normalmente, essa taxa é cobrada em cima dos ganhos gerados pelo investimento.

Sobre a rentabilidade histórica, é uma análise sobre os rendimentos de um fundo nos últimos doze meses. Em alguns casos, a rentabilidade é analisada desde o início daquele fundo de investimento. Vale lembrar que ganhos passados não garantem lucros no futuro. Essa é uma regra básica do mundo das finanças.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *